As horas

As horas

As horas

As horas longas pela madrugada
só servem para nos deixar, carente,
o coração que bate tristemente
por seu penar na noite prolongada.

Se não carente, entregue à sorte data
as longas horas deixam nossa mente
bem mais safada e entregue loucamente
aos devaneios d’alma já excitada.

Carente ou não, safada eu sei que fica!
O tempo corre e a solidão complica
porquanto mais a noite nos consome…

E, quando não, sem da carência atroz
ou sem se ouvir, da safadeza, a voz
o certo é que nos deixam só com fome!

Soneto: – Paulo Braga Silveira Junior – Abril/2020

Outros Sonetos

Pecador

Sussurra

Despiu-se

A mais

Ancorado

Medo

Poesia em Sonetos

Poesia, Poema e Soneto

Ao meu primeiro filho (Augusto dos Anjos)

Agregado infeliz de sangue e cal,
Fruto rubro de carne agonizante,
Filho da grande força fecundante
De minha brônzea trama neuronial,

Que poder embriológico fatal
Destruiu, com a sinergia de um gigante,
Em tua morfogênese de infante,
A minha morfogênese ancestral?!

Porção de minha plásmica substância,
Em que lugar irás passar a infância,
Tragicamente anônimo, a feder?!…

Ah! Possas tu dormir, feto esquecido,
Panteísticamente dissolvido
Na noumenalidade do NÃO SER!

Quando chegar (Martha Medeiros)

Quando chegar aos 30
serei uma mulher de verdade
nem Amélia nem ninguém
um belo futuro pela frente
e um pouco mais de calma talvez

e quando chegar aos 50
serei livre, linda e forte
terei gente boa ao lado
saberei um pouco mais do amor
e da vida quem sabe

e quando chegar aos 90
já sem força, sem futuro, sem idade
vou fazer uma festa de prazer
convidar todos que amei
registrar tudo que sei
e morrer de saudade.

CODIGO HTML DO E-BOOK SONETOS ERÓTICOS

Artigos Relacionados

2 Comentários

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: