Intervalo Doloroso – Bernardo Soares – Fernando Pessoa

Intervalo Doloroso – Bernardo Soares – Fernando Pessoa

Intervalo Doloroso – Bernardo Soares – Fernando Pessoa

“Tudo me cansa, mesmo o que não me cansa. A minha alegria é tão dolorosa como a minha dor.

Quem me dera ser uma criança pondo barcos de papel num tanque de quinta, com um dossel rústico de entrelaçamentos de parreira pondo xadrezes de luz e sombra verde nos reflexos sombrios da pouca água.

Entre mim e a vida há um vidro ténue. Por mais nitidamente que eu veja e compreenda a vida, eu não posso lhe tocar.

Raciocinar a minha tristeza? Para quê, se o raciocínio é um esforço? e quem é triste não pode esforçar-se. Nem mesmo abdico daqueles gestos banais da vida de que eu tanto quereria abdicar. Abdicar é um esforço, e eu não possuo o de alma com que esforçar-me.

Quantas vezes me punge o não ser o manobrante daquele carro, o cocheiro daquele trem! qualquer banal Outro suposto cuja vida, por não ser minha, deliciosamente se me penetra de eu querê-la e se me penetra até de alheia!

Eu não teria o horror à vida como a uma Coisa. A noção da vida como um Todo não me esmagaria os ombros do pensamento.

Os meus sonhos são um refúgio estúpido, como um guarda chuva contra um raio. Sou tão inerte, tão pobrezinho, tão falho de gestos e actos.

Por mais que por mim me embrenhe, todos os atalhos do meu sonho vão dar a clareiras de angústia.

Mesmo eu , o que sonha tanto, tenho intervalos em que o sonho me foge. Então as coisas aparecem-me nítidas. Esvai-se a névoa de quem me cerco. E todas as arestas visíveis ferem a carne da minha alma. Todas as durezas olhadas me magoam o conhêce-las durezas. Todos os pesos visíveis de objectos me pesam por a alma dentro.

A minha vida é como se me batessem com ela.”

Intervalo Doloroso – Bernardo Soares – Fernando Pessoa – Livro do Desassossego.

Soneto: Concha – Paulo Braga Silveira Junior

A concha, na maré alta, levada
no vai-e-vem constante até na areia,
meus olhos, com beleza, presenteia,
sublime, já, da dança em si, molhada!…

É fruta posta à mesa em plena ceia
de polpa a ser, por certo, apreciada
e verte à pele fina e delicada
o sumo, quando a vara lhe golpeia!

Se envolve pelas águas do oceano
com seu bailar constante, leviano,
sem medo algum de quem foi-lhe invasor…

Procuro-a frequente e se lhe alcanço
de me envolver consigo não me canso
sempre a lançar-me ao mar do seu amor!

Veja também:

Mar – Paulo Braga Silveira Junior

Acompanhe-nos no Facebook – CLIQUE AQUI

0 Comentários

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: