Invasão – Soneto (Paulo Braga Silveira Junior)

Invasão – Soneto (Paulo Braga Silveira Junior)

Invasão – Soneto (Paulo Braga Silveira Junior)

Comum essa invasão da imagem tua
que me deflora e ocupa o pensamento;
figuras sem de enfeite ou ornamento
a mim se apresentando toda nua!…

Meu coração aumenta o batimento
e com o teu querer compactua
deixando, a fome que já se acentua,
a carne me pulsar com seu fermento.

No imaginário, então, te sugo os seios
te lambo o ventre, as coxas e entremeios,
de orgasmos te levando à exaustão…

Te entregas à paixão que nos inflama
gemendo o teu tesão que o meu conclama
porquanto te é prazer minha invasão!…

Soneto: Invasão – ©Paulo Braga Silveira Junior – Março/2020

CODIGO HTML DO E-BOOK SONETOS ERÓTICOS

Poesia em Sonetos

Outros Sonetos

Incompreensão

Suor

Coroa

À cama

Em frente

De salto

Poesia, Poema e Soneto!

Demora-te sobre a minha hora (Hilda Hilst)

Demora-te sobre a minha hora.

Antes de me tomar, demora.

Que tu me percorras cuidadosa, etérea

Que eu te conheça lícita, terrena

Duas fortes mulheres

Na sua dura hora.

Que me tomes sem pena

Mas voluptuosa, eterna

Como as fêmeas da Terra.

E a ti, te conhecendo

Que eu me faça carne

E posse

Como fazem os homens.

Soneto de agosto (Vinícius de Moraes)

Tu me levaste, eu fui… Na treva, ousados
Amamos, vagamente surpreendidos
Pelo ardor com que estávamos unidos
Nós que andávamos sempre separados.

Espantei-me, confesso-te, dos brados
Com que enchi teus patéticos ouvidos
E achei rude o calor dos teus gemidos
Eu que sempre os julgara desolados.

Só assim arrancara a linha inútil
Da tua eterna túnica inconsútil…
E para a glória do teu ser mais franco

Quisera que te vissem como eu via
Depois, à luz da lâmpada macia
O púbis negro sobre o corpo branco.

2 Comentários

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: