Malícia

Malícia

Malícia

Malícia traz, no olhar, discretamente,
por muitos sendo até despercebida
e, sinuosa, cínica, atrevida
se achega qual se fora uma serpente!…

Desliza o corpo em trama desmedida
se como o instante fosse casualmente,
mas a intenção por trás, que traz na mente,
esconde a ideia ousada pretendida.

Aos poucos cola o ventre, os fartos seios,
os lábios a buscar nos entremeios
o despertar da carne que a alimenta…

Assim, de sua malícia e sedução
sucumbe quem, tomado de paixão,
colher-lhe o mel da intimidade intenta!

Soneto: Malícia – Paulo Braga Silveira Junior – Julho/2020

Poesia em Sonetos

Excitante… Sensualidade em E-Book

Outros Sonetos

Agressões

Livro físico, impresso com qualidade Amazon

Poesia, Poema e Soneto

Aquele olhar (Lêda Mello)

Desde o instante em que me fitaram
Cristais brilhantes, deflagrando luz,
Aqueles olhos os meus penetraram
Tal qual uma chama que queima e seduz.

Qual borboleta no beijo da flor
Perdida em sonhos, vaguei nesse olhar.
Toque de almas, promessas de amor,
Fugaz instante, não posso olvidar

Um par de olhos a busca dos meus
Entristecidos, na hora do adeus.
Tempo passou, não esqueci jamais

Aquele olhar que trago na lembrança
Doce sentir que em meu peito descansa
Ainda que ausente, não o veja mais.

Caminhos opostos (Lêda Mello)

Querias dar-me o teu melhor. Querias!
Desejo e verbo no tempo imperfeito.
Agora, que é passado, atavias
senil presente sem causa e efeito.

Em mim preferes colocar culpa
de tal querer que não levaste avante.
Tu foste omisso, é mera desculpa,
bem sabes, te esperei a cada instante.

Sonhos, apenas, nada foi real,
amor vivido no mundo ideal,
no desperdício do que não me deste.

E assim estamos, tu e eu, distantes,
porque guardaste teus sonhos amantes.
Querias, mas, de fato, não quiseste…

Poesia de qualidade expressa em Sonetos

0 Comentários

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: