Olho de Lince – Waly Salomão

Olho de Lince – Waly Salomão

Olho de Lince – Waly Salomão

Quem fala que sou esquisito, hermético,
É porque não dou sopa, estou sempre elétrico.
Nada que se aproxima, nada me é estranho.
“Fulano”, “cicrano”, “beltrano”,
seja pedra, seja planta, seja bicho, seja humano.

Quando quero saber o que ocorre a minha volta,
ligo a tomada, abro a janela e escancaro a porta.
Experimento, invento tudo. Nunca jamais me iludo.

Quero crer no que vem por ai, beco escuro,
Me iludo passado presente futuro.
Viro, balanço, reviro na palma da mão o dado,
Futuro, presente, passado.

Tudo sentir, total é a chave de ouro do meu jogo.
É o fosforo que acende o fogo da minha mais alta razão,
e na sequência de diferentes naipes,
quem fala de mim, tem paixão.

Olho de Lince Waly Salomão

2 Comentários

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: