Vencer

Vencer

Vencer

Há de vencer, o amor, os desafios tantos
que a vida nos impõe sem ter qualquer piedade;
em meio à escuridão, qual sol na intensidade,
se impor por certo irá com luz em todos cantos!…

Se fez silêncio atroz nas ruas da cidade
e a solidão verteu dos corações os prantos
de tanto dissabor e tantos desencantos
qual fosse o fim mortal da tal felicidade.

Mas creio no amanhã, na força da esperança
que a fé me consagrou e com vigor me alcança
de que renascerá por certo nova aurora…

O amor há de vencer brotando igual renovo
e o mundo se fará perfeito em tudo, novo,
pra sempre a consolar o coração que chora!…

Soneto Alexandrino: Vencer – Paulo Braga Silveira Junior – Abril/2020

Outros Sonetos

Choveu palavras

Laços

Dor

Fera

As horas

Pecador

Poesia em Sonetos

Poesia, Poema e Soneto! O que é?

Poesia vem do grego Poíeses. Tem o sentido do que foi criado, do que foi feito. Tudo aquilo que existe no cosmo é poesia. Poesia das flores, poesia do vento, poesia de um sentimento existente… Assim, tudo o que versa sobre o que foi criado, é poesia.

Poema é a retratação da Poesia no forma escrita. É o lirismo na maneira de expôr na escrita toda a beleza da Poesia. Um poema pode ser feito em prosa ou em versos. A beleza de um poema está no fato dele transmitir sentimentos… O poema encanta, sensibiliza, desperta reações no leitor pela sua forma precisa em descrever a Poesia que em tudo existe.

Soneto é um Poema com regras claras de escrita. Ele obrigatoriamente deve conter 14 versos, compostos de duas quadras e dois tercetos. Também há de se observar num soneto as regras de cadência ou ritmo, rimas casadas ou intercaladas, quantidade exata de sílabas iguais em cada verso de acordo com a sonoridade da fala (aglutinação de vogais).

Por: Paulo Braga Silveira Junior

2 Comentários

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: