Vou com um passo como de ir parar – Fernando Pessoa

Vou com um passo como de ir parar – Fernando Pessoa

Vou com um passo como de ir parar – Fernando Pessoa

Vou com um passo como de ir parar
Pela rua vazia
Nem sinto como um mal ou mal-estar
A vaga chuva fria…

Vou pela noite da indistinta rua
Alheio a andar e a ser
E a chuva leve em minha face nua
Orvalha de esquecer…

Sim, tudo esqueço. Pela noite sou
Noite também
E vagaroso eu […] vou,
Fantasma de magia.

No vácuo que se forma de eu ser eu
E da noite ser triste
Meu ser existe sem que seja meu
E anônimo persiste…

Qual é o instinto que fica esquecido
Entre o passeio e a rua?
Vou sob a chuva, amargo e diluído
E tenho a face nua.

14-2-1929
Poesias Inéditas (1919-1930). Fernando Pessoa. (Nota prévia de Vitorino Nemésio e notas de Jorge Nemésio.) Lisboa: Ática, 1956 (imp. 1990). – 110.

Mais de Fernando Pessoa:

Dá-me as mãos por brincadeira

Navio que partes para longe

Quando vier a primavera

Adoramos a perfeição, porque a não podemos ter

7 Comentários

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: